AÇÕES DA UNILA PERANTE A PRESENÇA ININTERRUPTA DO Aedes aegypti NA CIDADE DE FOZ DO IGUAÇU

Atualizado: Jan 5

A terceira palestra do Webinar "Conhecendo os mosquitos Aedes, os transmissores da dengue e de outras doenças", foi ministrada pelas professoras doutoras Carmen Justina Gamarra e Ana Alice Aguiar Eleuterio, que apresentaram os projetos de extensão da UNILA, nos quais são coordenadoras.


Projeto “Conhecendo Aedes aegypti e o Aedes albopictus, os mosquitos dos VÁRIOS vírus”, coordenado pela professora Carmen

O projeto iniciou em 2013, com o objetivo de contribuir para o enfrentamento da problemática de dengue em Foz do Iguaçu, através da mobilização e conscientização das crianças de escolas municipais.

O planejamento do projeto, segundo a profª, ocorre em etapas. Primeiramente, a equipe de professores e voluntários/bolsistas se reúne em grupos de estudos, para discutir o formato e logística do projeto em cada ano de execução.

Na sequência, é realizado semanalmente, o trabalho com as crianças do quarto ano em Escola de Ensino Fundamental (EMEFs) do município, com duração de dois meses. Envolve a participação ativa de professores e alunos da UNILA, que realizam atividades em classe com as crianças, elas aprendem sobre como a presença de água parada gera habitats para os mosquitos vetores da dengue, a diferença entre vírus, mosquito e doença. Também aprendem a reconhecer as diferenças entre os mosquitos A. aegypti e A. albopictus, e a montar armadilhas disponibilizadas pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Foz do Iguaçu. Essas atividades as preparam para divulgar o que aprenderam com a comunidade em geral, trabalhando como “multiplicadoras” dessas informações. Em um dia específico, as crianças visitam um laboratório da UNILA, visualizando em lupas as etapas do ciclo de vida do mosquito, gerando uma grande curiosidade por parte dos alunos e apoiando a longo prazo o processo de conexão entre escolas e universidade.

A ação se encerra com a entrega de certificados para as crianças em uma espécie de cerimônia, fazendo dos protagonistas do projeto, pequenos grandes cientistas, que vão atuar na comunidade contra essa moléstia.


Projeto “Ecologia e Saúde: ciência cidadã para monitoramento da dengue”, coordenado pela professora Ana

O projeto é norteado pela ciência cidadã, que envolve a participação ativa de cidadãos na definição, elaboração e desenvolvimento de pesquisas, envolvendo etapas como coleta de dados e produção de resultados científicos que ficam disponíveis publicamente, para qualquer pessoa acessar. Essa é uma oportunidade para trazer um público que não tem envolvimento direto com a ciência, para fazê-la, já que, mesmo sendo realizado por pessoas leigas, estas, são capacitadas ao longo da elaboração e execução do projeto.

Esse programa de ciência aberta não origina vínculo empregatício, nem qualquer tipo de benefício remunerado. As pessoas se engajam voluntariamente em uma pesquisa por conta do interesse pelo assunto abordado e à ciência, ficam motivadas a aprender algo novo e a contribuir para a resolução de uma problemática. Como resultado do projeto, espera-se apoiar a capacitação da população, promover o letramento científico, formar e apoiar o empoderamento de grupos de ação e melhoria de tomada de decisões em relação aos problemas de saúde.

O projeto de extensão, de acordo com a profª, utiliza duas grandes plataformas de coleta de dados, OPAL (Open Air Laboratories), vinculada ao Imperial College de Londres e GLOBE (Global Learning and Observations to Benefit the Environment), vinculada à NASA. Este último é um programa composto por site e aplicativo. O aplicativo dá acesso ao protocolo de coleta de dados intitulado “Mosquito habitat mapper”, utilizado para o mapeamento dos habitats de mosquitos, ele é gratuito, possui instruções em português e é de fácil manuseio, permitindo que qualquer pessoa cadastre informações sobre locais com possível proliferação de mosquito.

Finalmente, foi apresentado o website Ecologia e Saúde, originado a partir do projeto. A construção do site foi a proposta dada a impossibilidade de visitação em escolas para trabalhar diretamente com a formação de educadores em 2020. Na plataforma serão disponibilizados materiais educativos relacionados ao projeto e materiais de apoio ao professor para a adoção de protocolos de ciência cidadã em sala de aula.


Quer saber mais?

Para mais detalhes acerca de "Ações da UNILA perante a presença ininterrupta do Aedes aegypti na cidade de Foz do Iguaçu" assista ao vídeo abaixo e conheça os projetos desenvolvidos na universidade.



0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

SITUAÇÃO ATUAL DA ENDEMIA DE DENGUE EM FOZ DO IGUAÇU

Atualmente, a dengue é uma das doenças que mais crescem no mundo. É transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que se reproduz em climas quentes e úmidos, por isso, a doença é encontrada em vários paíse

para dúvidas ou sugestões, entre em contato conosco!