top of page

Conteúdos Instagram  @ecologiaesaude

Postagens de 05 e 12 abril de 2024 

em nosso Instagram @ecologiaesaude

teste.png

A IMPORTÂNCIA DA VACINAÇÃO NO BRASIL

Breve história da vacinação no Brasil:

protegendo vidas há muitos anos

Link do post no título, clique acima.

Você já parou para pensar como a vacinação se tornou parte importante da nossa saúde pública?

​Chegada das Vacinas ao Brasil

No século XIX, o Brasil enfrentava surtos de doenças como varíola. Apesar da vacina contra a doença ter chegado no Brasil em 1804, foi apenas em 1904 que a obrigatoriedade da vacinação foi aprovada pelo Congresso.

Barco.png

A Febre Amarela era uma das doenças mais temidas, causando surtos devastadores em diversas regiões do Brasil. Devido à gravidade dos surtos, o governo brasileiro implementou a vacinação obrigatória em 1937, como medida crucial para proteger a população.

Mas antes da vacinação, foi implementado um programa de controle de vetores que reduziu drasticamente a febre amarela em áreas urbanas.Esse controle, associado à vacinação contínua, faz com que não tenhamos surtos de febre amarela urbana desde 1942.

Evolução da Vacinação

Ao longo dos anos, o Brasil expandiu seu programa de vacinação, incluindo vacinas contra diversas outras doenças, como poliomielite, sarampo e rubéola.

 

E agora, contra a dengue!

Graças às campanhas de vacinação em massa, o Brasil conseguiu erradicar doenças como a varíola em 1971 e a poliomielite em 1994, protegendo milhões de vidas.

E também, graças aos esforços contínuos de vacinação, podemos viver em um país mais saudável e protegido contra doenças evitáveis.

Protegendo-se contra a Dengue: 

A Importância da Vacinação

Link do post no título, clique acima.

Você sabia que a vacinação é uma das melhores formas de nos protegermos contra doenças como a dengue?

Como já sabemos, a dengue é uma arbovirose transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que pode causar sintomas graves, como febre alta, dores no corpo e até complicações sérias.

Felizmente, existe uma vacina disponível para prevenir a dengue. Essa vacina é segura e eficaz, ajudando o nosso sistema imunológico a combater o vírus e reduzindo o risco de desenvolver a doença.

Além de nos proteger individualmente, a vacinação contra a dengue também contribui para a proteção da comunidade, reduzindo a circulação do vírus e ajudando a prevenir surtos da doença.

Lembrando que a vacinação é uma estratégia de prevenção coletiva. O sucesso do programa de imunização depende de que uma determinada porcentagem da população esteja imunizada.

Não deixe de se vacinar e fazer a sua parte na luta contra a dengue!

Principais Referências:

 

FAIXA.png

Postagens de 03, 10 e 17 maio de 2024

em nosso Instagram @ecologiaesaude

BIODIVERSIDADE
E OS MOSQUITOS​

MOSQUITO.png

Parte 1. 

Importância da Biodiversidade na Regulação de Populações de Mosquito

Link do post no título, clique acima.

Estamos acostumados a falar sobre mosquito e pensar em Aedes aegypti nas cidades! Mas você sabia que em ambientes naturais tropicais há muito mais espécies de mosquitos do que nas cidades?

Isso ocorre porque as florestas tropicais apresentam uma diversidade de habitats que permitem abrigar espécies de mosquitos com diferentes modos de vida.

Por exemplo:

Porém, viver nas florestas tropicais também é um desafio. Além de sobreviver às condições ambientais, os mosquitos ainda precisam sobreviver à competição com outras espécies, predação, e outras interações ecológicas.

As florestas diversas podem apresentar uma maior diversidade de predadores, ou seja, organismos que controlam o tamanho da população de mosquitos tanto na fase adulta, quanto na fase larval. Como aranhas, pássaros, larvas de libélulas, anfíbios e peixes. Mudanças da paisagem natural por atividades humanas podem não apenas aumentar a população de mosquitos vetores de doenças, mas também interferir na biodiversidade, afetando a competição e a população de predadores.

Por isso, a manutenção da biodiversidade é central para o controle das populações de mosquitos

Design sem nome.png

Parte 2. 

A Urbanização e os Mosquitos Vetores

Link do post no título, clique acima.

O Brasil enfrenta um sério problema de saúde pública devido ao aumento dos casos de dengue que, só em 2024, chegaram a 217 mil casos confirmados. O aumento da urbanização cria condições favoráveis para a reprodução dos mosquitos vetores de doenças, tais como Culex quinquefasciatus e Aedes aegypti. Um texto publicado em nosso portal mostrou a relação entre urbanização e incidência de dengue em três cidades brasileiras.

O estudo mostrou que as cidades de Campo Grande–MS, Maringá–PR e Ribeirão Preto–SP, apesar de apresentarem alto índice de desenvolvimento humano, ainda enfrentam sérios surtos de dengue devido a fatores como temperaturas elevadas, chuvas intensas e condições socioeconômicas desiguais.

Além desses fatores, o estilo de vida dos habitantes também pode favorecer a ocorrência de surtos de dengue. Comportamentos como o descarte de lixo e entulho em quintais e terrenos baldios ou má manutenção de piscinas, calhas e caixas d’agua, favorecem o aumento de criadouros de mosquitos. Portanto, enfatizamos que o problema da dengue é de todos nós, principalmente de quem vive em zonas urbanas, onde os surtos são mais frequentes.

Parte 3. 

Áreas rurais - Quais os desafios contra os mosquitos vetores?

Link do post no título, clique acima.

Apesar da dengue ser mais comum em áreas urbanas, hoje ela também ameaça as áreas rurais. Essas áreas, podem apresentar maior diversidade de predadores naturais, porém a falta de saneamento básico e a ocorrência de práticas inadequadas podem favorecer a proliferação do mosquito e a propagação dos vírus da dengue.

QUAIS PRÁTICAS INADEQUADAS?

Deixar cisternas, poços e tambores a céu aberto sem os cuidados necessários, bebedouros de animais abandonados e sem manutenção, resto de materiais e embalagens descartadas irregularmente, entre outras.

Na natureza, os ovos do Aedes aegypti podem sobreviver cerca de 450 dias fora d’água. Portanto, identificar possíveis criadouros nas áreas rurais é essencial para evitar a proliferação dos mosquitos.

LEMBRANDO que a dengue só é transmitida se o mosquito Aedes estiver contaminado com o vírus. Portanto, mesmo que nas áreas rurais a transmissão da dengue seja menos frequente, pela menor densidade de pessoas, e menor número de pessoas contaminadas, basta que haja uma pessoa contaminada e a presença dos mosquitos para que se inicie um novo processo de transmissão.

 

Por isso, além das proteções individuais, como uso de repelente e instalação de telas em janelas, trouxemos algumas recomendações, da Embrapa para evitar a proliferação do Aedes aegypti e demais mosquitos nas áreas rurais:

  • Inspecionar semanalmente a propriedade rural e identificar locais de risco para proliferação do mosquito;

  • Se houver plantas ornamentais (ex: bromélias) que acumulam água, inspecionar e aplicar larvicida se houver água parada. 

  • Descartar as embalagens de insumos em locais apropriados, cobertos e secos;

  • Checar se cisternas, poços ou tambores para água estão tampados;

  • Verificar calhas e telhados;

  • Tampar cavidades em cercas e outros objetos;

  • Checar bebedouros de animais regularmente e trocar a água.

Lembre-se, a dengue pode estar em qualquer lugar, seja na cidade ou no campo.

Design sem nome (1).png

Principais Referências:

 

Todas postagens sobre Aedes em nosso Instagram @ecologiaesaude

Mosquito do gênero Aedes

MOSQUITO.png

Conheça o Ciclo de vida do

Aedes aegypti

Link do post no título, clique acima.

 Ovo: São depositados pela fêmea, em locais úmidos, escuros e próximo a superfície da água. O desenvolvimento do embrião se completa em 48 horas em condições favoráveis. São capazes de resistir a longos períodos de dessecação, que podem prolongar-se por mais de um ano. 

Larva: Período de alimentação e crescimento. Se alimentam do material orgânico e microrganismos acumulados nas parede e fundo dos depósitos. Possuem 4 estágios de desenvolvimento exclusivamente aquáticos. Dura de 7 a 14 dias. 

Pupa: Metamorfose do estágio larval para o adulto. Nesta fase aquática, não há alimentação. Dura aproximadamente 48 horas. Ficam na superfície da água, flutuando, facilitando a emergência do inseto adulto.

Adulto: Representa a fase reprodutora do inseto. O acasalamento acontece durante o voo. Mosquito é preto com listras brancas e asas transparentes. Vivem de 23 a 73 dias. A fêmea se alimenta mais frequentemente de sangue e o macho de carboidratos extraídos de vegetais.

Para saber mais detalhes sobre o ciclo de vida acesse: https://www.ecologiaesaude.com/ciclo-de-vida-do-mosquito

bottom of page